sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Uhuru Cloud

Eu estou olhando serviços de hospedagem para que eu possa brincar um pouco. Passei a semana olhando mas não tinha achado nenhum que me parecia interessante, até que recebi uma mensagem falando sobre o Uhuru Cloud. Este serviço está em beta, então espere alguns probleminhas enquanto isso, comecei a testar e logo de cara notei a interface que me lembra muito o Metro (ou Modern, como deve ser chamado a partir de agora, ou sabe-se lá o "nome comercial" que a Microsoft vai dar), o que me agradou bastante. Como pode ser visto a seguir: Clicando em uma das clouds, é possível criar apps, existem tamplates default para o eCommerce Magento, para o WordPress e SugarCRM. Criar um wordpress me custou menos do que dois minutos, apenas escolhi o template (wordpress), a URL e criei. Assim que terminou de instalar (foi bem simples), eu entrei na URL e pude fazer a configuração da conta de admin e sair usando. Foi realmente muito fácil. Eu gostaria de fazer o upload de uma aplicação criada por mim. Como esta não está pronta, eu não consegui fazer o upload para testar. O que eu já senti falta foi o de um uploader "clássico", direto do browser ou um FTP. Porém eles disponibilizam três ferramentas para fazer o uploads dos arquivos, um plugin para o Visual Studio, um AppCloud Admin e uma linha de comando. Infelizmente ainda não consegui testá-las, mas assim que puder posto mais informações. O que eu não sei se é possível seria limitar o acesso à aplicação de pessoas registradas, para teste na aplicação antes do lançamento de verdade. O serviço me parece bem promissor e ainda está com uma promoção de 1GB de RAM e 10GB de armazenamento para os "early adopters", como diz aqui: http://uhurusoftware.com/so-you-want-to-have-a-lifetime-account-in-the-uhuru-trial-paas/ Então é isso, espero que vocês tenham gostado da dica. Abraço [EDIT] Sim, é possível usar FTP para fazer o upload de arquivos, mais informações podem ser acessadas aqui (inglês): http://support.uhurusoftware.com

sábado, 26 de março de 2011

Sua Chance de Transformar Erros em Acertos

Opa,

Não ando atualizando o blog, eu sei. Mas é que a minha (falta de) criatividade não me permitiu achar nada de interessante para escrever. Optei, então, por não escrever bobagem.

Mas hoje recebi um e-mail sobre uma ideia da AACD para tentar aumentar o número de voluntários. Uma ideia muito simples e que virtualmente todos podem fazer parte, basta ter um blog ou website: doe a sua página 404 para a AACD. Transforme o erro do seu visitante em algo que pode gerar algo bom para alguém!

Aqui está o link para quem se interessar, não custa anda e pode fazer uma grande diferença!

Abraço,
Oscar Albrecht

quinta-feira, 3 de março de 2011

Eles não são deuses

Eu li esse post muito bom nesse blog, onde ele fala da necessidade da mudança em alguns pontos do cotidiano das empresas, com foco no processo seletivo. Concordo com ele e achei muito legal, principalmente do modo bem humorado que ele escreve o texto. Recomendo.
Mas duas coisas me incomodaram, não no texto em si, mas no raciocínio que se esconde por trás do texto e que a grande maioria das pessoas faz:

• Só porque alguém é extremamente bem sucedido, assume-se que seria um ótimo integrante para qualquer time
• Mistura-se capacidade (ou preparação) com caráter.

Isso são duas coisas que muitas pessoas fazem, por isso eu resolvi escrever esse pequeno textículo.

Vamos falar sobre o primeiro ponto. No texto são citados Steve Jobs, Bill Gates, Mark Zuckerberg e eles não passam na entrevista em detrimento do nosso amigo Bernard. Isto é posto como algo a se pensar no final do texto. Eu pensei, e por isso apareci com esse post.

Steve Jobs, como é citado no texto é: “Steve não completou a faculdade. Ficou apenas seis meses e abandonou o curso, dizendo que a escola era chata e não via benefícios em continuar. Ele afirmou isso na entrevista. E disse que está pensando em tocar algum negócio próprio, mas precisava juntar dinheiro; O candidato se comportou de maneira arrogante nas entrevistas. Por diversas vezes, disse que a empresa estava com uma estratégia errada e que os executivos não sabiam o que estavam fazendo; Falou muito sobre suas convicções, mas fez poucas perguntas. Ele queria mais falar do que escutar.”

Steve Jobs é, com certeza, um dos maiores gênios da informática atualmente. Mas o perfil dele, como o de todo mundo, não se encaixar para algumas necessidades. Eu não consigo imaginar ele em uma posição onde ele não tenha poder de decisão e precise se subordinar a coisas com as quais ele não concorda. Vocês já imaginaram Steve Jobs sendo estagiário? Ou mesmo um programador? Não! A personalidade de Steve Jobs sempre foi de um líder, sempre tomando as rédeas, tanto que no início da Apple, ele tinha um papel mais voltado à gerência e organização, não ao “trabalho braçal” (quem fazia isso era o Steve Wozniak).

Zuckerberg, como citado no texto, “nunca levou os estudos a sério; ser uma pessoa que não quis se submeter às regras da faculdade. Ele reclamou dizendo que as regras eram caducas e abandonou a faculdade no meio do curso; O candidato tem dificuldade de concentração. Na entrevista, ele pareceu dispersivo, desatento;”. Por mais genial que ele possa ser (ele é? Não sei), é um risco ter uma pessoa assim na empresa. E se ele achar que as regras da empresa são caducas e não respeitá-las? E se ele achar o trabalho desinteressante e não quiser fazê-lo? Como fica a moral do time?

Bill Gates seria até um bom candidato, eu diria.

Resumindo: essas pessoas são gênios, com certeza, mas isso não quer dizer que eles possam fazer qualquer coias. Cada pessoa tem sua personalidade e seu estilo de trabalho que deve ser respeitado para que elas sejam produtivas. Eu imagino que colocar o Zuckerberg em um time onde ele não tem a “liberdade” que a sua personalidade precisa, seria até prejudicial para o time, ele seria mais um “peso-morto” e “desinteressado” do que uma pessoa empreendedora e criativa.

Cada um tem o seu lugar, quanto mais genial que alguém é, mais difícil de encontrar um lugar que ele combine de modo a criar o máximo possível.

O segundo ponto é que o nosso amigo Bernard foi aceito, e isso, como colocado no texto, seria algo negativo. Não é. O texto está misturando a capacidade dessa pessoa com seu caráter.
Uma entrevista serve para vermos quanto uma pessoa combina com a nossa empresa. Obviamente o caráter seria algo muito importante para ser avaliado, se pudesse ser. Quando alguém é um “bom” mal-caráter, ele consegue esconder isso das outras pessoas, não é em uma conversa de 30 minutos que o caráter de alguém ficará claro. O Bernard tinha um histórico perfeito, inteligente e combinava com a empresa, porque não contratá-lo?

Quanto mais inteligente e preparada a pessoa é, melhor ela vai esconder se estiver fazendo algo errado.

É só olhar para a gente, estamos aqui, sentado, tomando uma cerveja, felizes da vida, e talvez amanhã tu atropele uns ciclistas nas ruas de Porto Alegre. Como que EU vou saber????

Até a próxima,
Oscar Albrecht

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Pergunta número 1

Me surgiu uma dúvida:
Como vocês sabem, em uma entrevista de emprego a gente tem que mostrar que conhece a empresa, que tem vontade de trabalhar lá, que realmente se encaixa na empresa.
E como é de conhecimento geral, no final da entrevista sempre tem aquela "você tem alguma pergunta?".
E se nesse momento eu perguntasse: "Porque você acha que eu deveria trabalhar aqui? O que você acha que eu acrescentaria na empresa e o que ela me acrescentaria?".
Qual a reação que vocês acham que o entrevistador teria?
Minhas chances de ser aceito aumentariam ou diminuiriam?

Tá aí... a palavra é de vocês.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Eu acho injusto.

Como candidato a um emprego, eu preciso ser apresentável, pontual, eficiente, flexível, articulado, entusiasmado, amar tecnologia, conhecer a empresa, ser bom em resolução de problemas, ter um CV invejável, ter um desempenho alto na faculdade. Para conseguir um emprego interessante em uma empresa inovadora eu preciso ser extremamente bom.

E eu me esforço para isso.

Mas e a empresa, o que ela tem que ser?

Eu, como profissional, tenho pouquíssimo poder de barganha! A empresa pode fazer o que quiser que eu não tenho nada além de dizer "OK, pode ser". Ela pode fazer "gato e sapato" e eu não tenho como me impor. Uma entrevista de emprego minha, para uma empresa muito grande, para a qual venho me preparando há tempos, acabou de ser remarcada pela segunda vez, UMA HORA E MEIA ANTES DA ENTREVISTA!!!

Aí não dá pra querer.

E por isso deixo meu desabafo aqui. E sem título.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Minha Experiência com o Microsoft Marketplace

Eu resolvi aprender a desenvolver apps para Windows Phone 7. Devo dizer que me surpreendi: muito simples e divertido. E ter aquilo tudo funcionando no celular é muito legal! Realmente gostei.

Para disponibilizar apps para download, a Microsoft fornece o Marketplace, que nada mais é do que a AppStore da Microsoft. Nunca tinha participado de um sistema desses, aqui estão algumas impressões:

A validação da conta ainda não está funcionando perfeitamente

É necessário se cadastrar (usando a Live ID), mas quando o usuário tenta fazer o upload da app, é necessário uma validação (que envolve alguns passos, envio de documentos e etc). A validação em si eu achei ok, bem simples, mas o problema foi: na primeira conta que eu tentei validar, por algum motivo eu não recebia os e-mails da empresa responsável pela validação. Tive que mandar e-mails para o suporte da Microsoft para que eles encaminhassem o problema para a empresa, para que eu recebesse os emails. Na segunda eu recebi SPAMs da MS, toda noite em torno de 5 e-mails com o mesmo conteúdo (um dos passos da validação), que mesmo que eu fizesse o que era pedido, a validação não progredia.

Então, em relação à validação, o Marketplace ainda deixa um pouco a desejar.

Envio de Apps

Enviar uma App para o Marketplace é relativamente simples, é um wizard de cinco passos onde se define o preço, envia o arquivo, descreve a app, envia screenshots. Muito rápido de se fazer. A MS também é bem rígida com a qualidade das screenshots e etc, o que eu acho muito importante para que o comprador saiba bem o que está comprando. Existe um prazo de 5 dias úteis para que a app seja aceita ou rejeitada, mas normalmente não é necessário todo esse tempo, em 2 ou 3 dias se tem uma resposta.

Quando uma app é rejeitada existe um pdf que diz o que foi encontrado, porque está errado, como deve ser o certo e como fazer para repetir o erro. Achei muito simples e informativo, consegui reproduzir todos os erros que eles reportaram.

Preços

Devo dizer que é meio salgado: 99 dólares por ano, se não me engano. Não pagaria tudo isso para desenvolver por hobby. Mas os estudantes têm direito à uma conta gratuita, basta registrar no Dreamspark! O único problema que eu vi até agora é que existe um limite de até 5 submissões (e não apps, se uma app não foi aceita, perdeu uma submissão) para apps gratuitas (isto também vale para contas pagas, até onde eu sei). Caso seja muito importante, pode-se pagar mais 20 dólares por submissão (de novo, não por app). Isso eu achei um belo tiro no pé, já que as boas apps do iphone são as gratuitas.

Um workaround para isso é dar um Trial por tempo indeterminado, tática que eu tenho usado bastante :).


 

No geral, eu tenho dizer que eu gosto muito do Marketplace, é um modo muito simples de deixar as apps disponíveis para todos, o fórum do portal também é muito bom, o pessoal ajuda sempre. Eu tenho me divertido muito fazendo apps para WP7, o único problema é que eu não tenho infra-estrutura para disponibilizar webservices para fazer apps mais interessantes.

Quem tiver uma idéia para apps, quiser fazer apps em conjunto ou algo assim, entre em contato. Pretendo me aprofundar no tema neste próximo semestre!


 

Abraço,

Oscar

Site com Lista de Produtos Originais Gratuitos da Microsoft

Neste site existe uma lista dos softwares da Microsoft que se pode baixar gratuitamente. Uma ótima ajuda para quem está perdido com tanta coisa!


http://blogs.technet.com/b/renatmin/archive/2010/11/22/free-soft-and-resources-from-microsoft.aspx?ocid=soc-n-pk-loc--comm_osamakhn